Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrevo, logo existo

Escrevo, logo existo

livrosbolso-billboard
15
Fev20

A Vida vale mais do que a morte

Escrevo, logo existo

A eutanásia é uma ofensa ao desenvolvimento e inteligência humana. Se existe coisa que representa um avanço civilizacional, é o momento em que o ser humano e a ciência colocou no centro da discussão o prolongamento da vida humana, o passo a dar a seguir, deveria de ser a da dignificação da vida humana para todos os seres humanos e não o alcance da melhor forma de morrer.

Muitas comparações têm sido feitas com a Interrupção Voluntária da Gravidez, estes tipos de comparações são perigosos e demagógicos e que se regem por razões religiosas. A IVG não mete termino a nenhuma vida humana e a eutanásia mete.

A eutanásia deveria de ser a última das preocupações. Quando temos um país com casos de pobreza extrema, quando temos telhados de amianto nas escolas, quando temos um Serviço Nacional de Saúde que ainda não dá a resposta necessária.

A vida é um direito, a morte é uma inevitabilidade, não é normal querer morrer, mas é normal querer viver e com dignidade. Viver com dignidade não é morrer com dignidade porque não há nada de digno na morte, tendo em conta que depois da morte não existe nada. A vida é precária porque é curta e acaba, cabe a nós tornar a vida cada vez melhor, mais digna e cada vez mais duradora.

Nesta discussão é determinante o fator esperança, é preciso esperança para todos os seres humanos, um ser humano sem esperança é um corpo sem condição humana que não está bem, é patológico e esta questão não é apenas filosófica, como psicológica e psiquiátrica, é uma questão holística e tem de ser olhada desta forma. Que se criem as condições para garantir a condição humana de todos os seres humanos, que se dê condições de vida a todos e que não se arranje formas “melhores ou piores” de morrer porque morrer não tem nada de bom.

A questão, discussão e agitação criada pela eutanásia serve os interesses do PS porque afasta a discussão do que realmente interessa, que é a dignificação da vida de todos os portugueses porque tal preocupação mete em causa o superavit (segundo o PS).

 

24
Out19

Afinal é possível sair

Escrevo, logo existo

Muitos comentadores encartados têm a mania de comparar o "cu com as calsas", muita coisa já foi dita entre a Catalunha e o Brexit, a questão é que são processos muito diferentes. A única coisa que poderá ser comum, entre um processo e outro, é a seguinte questão: quem é a única entidade soberana no que toca à tomada de decisão política?

A resposta é simples, essa entidade chama-se Povo, é ao povo que cabe decidir o seu próprio futuro, isto num primeiro plano. Num segundo plano podemos discutir se os processos de tomada de decisão foram ou não bem conduzidos e num último plano se são legítimos, entre muitas outras discussões de todo o tipo que muitos pseudo intelectuais gostam de ter . . .

Agora o que muitos (pseudo) democratas e comentadores (zecos) fazem, é meter a questão do centro de decisão, tanto da Catalunha como do Brexit, fora do quadro de decisão democrática (poder/povo), para cobardemente colocar a discussão no quadro legalista (legal/judicial) no caso da Catalunha e no caso do Brexit no quadro economicista (negocial/negociante). 

Para esses "comentadores" e "democratas" que têm medo da democracia, o povo não tem! Deixem o povo da Catalunha decidir sobre o seu futuro e no caso do povo Inglês, respeitem a sua decisão!

O interesse do povo tem de estar no centro da ação, os outros interesses são estranhos ao seu interesse e esses devem estar fora tanto num processo como no outro.

Plano Nacional Leitura-mrec

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D