Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrevo, logo existo

Escrevo, logo existo

livrosbolso-billboard
20
Mai20

A Confusão de Rui Tavares

Escrevo, logo existo

Pensavam que era sobre a telescola? Deixem-se disso! Trata-se da notícia do Expresso em que este aparece a defender Ana Gomes como uma candidata única à “esquerda”. Entendamos uma coisa primeiro o que é que quer dizer “esquerda”? Segundo quem é a Ana Gomes?

Esta ideia que foi inaugurada com a nova fase da vida política nacional em que a “esquerda” se tornou (ainda mais) um conceito lacto, chegando ao cúmulo de o próprio Rui Rio afirmar que o PSD é de centro esquerda, dá-me vómitos. Nem tudo é esquerda e a esquerda define-se por quem defende os trabalhadores e se formos avaliar até à última análise, chegaremos à conclusão que apenas . . . (não preciso de continuar, pois não?)

Bem! Vamos a Ana Gomes, será por ser louca da cabeça que atrai certos sectores do capital para colá-la à suposta “esquerda”? Ou será por ser profundamente sensacionalista e suficiente para dar o palco que o André Ventura precisa? Já para não falar que para esse espetáculo já vamos ter Marisa Matias a dar cartas.

Resumindo entre Ana Gomes e Marisa Matias o que podemos esperar é palco e criação de espaço para André Ventura, estas são as candidatas que dão mais jeito a André Ventura e ao capital. Resta saber qual será o candidato apoiado pelo PCP que pode desequilibrar e marcar pela diferença, falando dos problemas do país e não entrando em despiques que apenas contribuem para o crescimentos do populismo e da extrema direita.  

26
Abr20

O 25 de abril arruma a casa

Escrevo, logo existo

Neste 25 de abril parece que alguns levaram com um balde de água fria pelos cornos. Os ditos "novos" partidos salazarentos com cheiro a mofo, levaram nos cornos de todos os democratas presentes na cerimónia. A comunicação social também teve de enfiar o barrete porque também andou durante muito tempo a alimentá-los, nomeadamente a Iniciativa Liberal, o Chega e não esquecer o CDS-PP que apesar de ser antigo apresentam-no sempre como uma coisa nova. 

Eles levaram nos cornos e não foi só do PCP mas de muitos outros, pois o 25 de abril, obriga a muitos a assentarem os pés no chão, caso contrário, o povo mais à frente pode penaliza-los e o Presidente da República oportunisticamente apercebeu-se disso e foi obrigado pela força das circunstâncias a tomar uma atitude.

O Cotrim, o (A)ventura e os deputados do CDS-PP se tivessem um buraco escondiam-se lá dentro. O populismo em Portugal não tem futuro porque o nosso povo tem bem presente e bem enraizado, na sua cultura e sentimento, os valores e a importância do 25 de abril e sempre que estes cágados levantam a cabeça, é determinante que todas as forças democratas se unam para lhes fazer baixar a garimpa. 

No que toca ao ataque aos fascistas e populistas é preciso ter cuidado, nesta guerra saber quando ignora-los também é determinante, pois não lhes podemos dar hipótese para brilharem e por vezes mais vale deixa-los a falar sozinhos e é também isso que alguns democratas necessitam de perceber. 

Continuemos e temos de perceber que as melhores armas são as políticas concretas de melhoria de condições de vida das populações que os deixa sem escapatória nenhuma e sem espaço político para aproveitarem.

 

28
Mar20

Cambalhotas da Direita e a falta de escrúpulos

Escrevo, logo existo

PSD

O Rui Rio acha que não deviam de estar tantos deputados do PSD no plenário da Assembleia, saíndo do hemiciclo durante a sessão. Lembro ele é lider do mesmo partido em que tem o dobro dos deputados recomendáveis. É um inception político.

Iniciativa Liberal

De "ideologia liberal" que defende a intervenção do estado quando o mercado não dá resposta, ou seja, que deve pagar os prejuizos do privado.

P.s. Os factos falam por si.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Enquanto a direita anda às cambalhotas (e ainda bem), a falar da defesa das "empresas", essa entidade abstracta, quando sabemos que eles estão a falar dos proprietários das empresas, pois em relação à segurança dos trabalhadores e dos seus empregos remetem sempre para segundo plano (ou quinto). 

Enquanto a direita continua pela espuma dos dias, outros estão na vanguarda da defesa dos trabalhadores, falando sobre os despedimentos ilegais, os não pagamentos de salários etc. 

A luta de classes em tempo de pandemia e de estado de emergência não se suspende e é necessário continuar a trava-la até porque está em marcha o plano mais asqueroso de tentativa de reversão de direitos, projecto este que quer fazer um ajuste de contas com o que foi conquistado na última legislatura, aproveitando-se do Covid-19. Aqui é que se vai ver, mais uma vez, de que lado está o Partido Socialista, a luta vai continuar pois sabemos que não há muito que se espere desse partido.

A maior lição que a nova fase da vida política nacional deu foi a conclusão que a crise económica resolve-se com mais dinheiro nos bolsos da população e com mais dinheiro a girar. Seja de facto um ensinamento que oriente a ação política e não um mero acontecimento do passado esquecido. 

No que toca à União Europeia é impressionante a quantidade de madames ofendidas pelo "comportamento" da Comissão Europeia, a questão é que estas atitudes são fruto da natureza da própria UE. Não existe aqui nada de impressionante!

A UE é centralista e monopolista no ponto de vista financeiro e económico, esta é a tradução da expressão "solidariedade (da União) Europeia" que promove as diferenças e as desigualdades entre os países e os seus povos. É um directorio de potências, nesse sentido nunca irá servir os interesses dos diferentes povos e trabalhadores.

O país e o mundo está muito incerto, mas tenho uma certeza: Grandes perigos, convivem com grandes potencialidades. É aqui que devemos todos de actuar, lutar por uma sociedade diferente centrada nos trabalhadores e que promova os seus direitos, para tal é preciso alternativa e para tal é urgente lutar!

Alternativa essa que passa pela renegociação da divida, pela saída do Euro e da União Europeia, construindo o caminho para a Alternativa Política Patriótica e de Esquerda, a única que é capaz de dar resposta ao que o país e o povo precisam.

 

15
Fev20

A Vida vale mais do que a morte

Escrevo, logo existo

A eutanásia é uma ofensa ao desenvolvimento e inteligência humana. Se existe coisa que representa um avanço civilizacional, é o momento em que o ser humano e a ciência colocou no centro da discussão o prolongamento da vida humana, o passo a dar a seguir, deveria de ser a da dignificação da vida humana para todos os seres humanos e não o alcance da melhor forma de morrer.

Muitas comparações têm sido feitas com a Interrupção Voluntária da Gravidez, estes tipos de comparações são perigosos e demagógicos e que se regem por razões religiosas. A IVG não mete termino a nenhuma vida humana e a eutanásia mete.

A eutanásia deveria de ser a última das preocupações. Quando temos um país com casos de pobreza extrema, quando temos telhados de amianto nas escolas, quando temos um Serviço Nacional de Saúde que ainda não dá a resposta necessária.

A vida é um direito, a morte é uma inevitabilidade, não é normal querer morrer, mas é normal querer viver e com dignidade. Viver com dignidade não é morrer com dignidade porque não há nada de digno na morte, tendo em conta que depois da morte não existe nada. A vida é precária porque é curta e acaba, cabe a nós tornar a vida cada vez melhor, mais digna e cada vez mais duradora.

Nesta discussão é determinante o fator esperança, é preciso esperança para todos os seres humanos, um ser humano sem esperança é um corpo sem condição humana que não está bem, é patológico e esta questão não é apenas filosófica, como psicológica e psiquiátrica, é uma questão holística e tem de ser olhada desta forma. Que se criem as condições para garantir a condição humana de todos os seres humanos, que se dê condições de vida a todos e que não se arranje formas “melhores ou piores” de morrer porque morrer não tem nada de bom.

A questão, discussão e agitação criada pela eutanásia serve os interesses do PS porque afasta a discussão do que realmente interessa, que é a dignificação da vida de todos os portugueses porque tal preocupação mete em causa o superavit (segundo o PS).

 

Plano Nacional Leitura-mrec

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D