Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrevo, logo existo

Escrevo, logo existo

livrosbolso-billboard
22
Mai20

Se não gostas de hip hop então toma lá disto

Escrevo, logo existo

Não gostar de hip hop, ou de qualquer estilo de música sem conhecer é significado de ignorância, portanto tu oh preconceituoso abre a pestana ouve e depois constrói a tua opinião.

Aqui vai Black Company com a sua sonoridade cheia de pitadas de jazz. O clássico do hip hop tuga com várias referências a outros que também viriam a ser uns dos pais do hip hop tuga. Nesta letra os Black Company definem aquilo que é o espírito do hip hop e a sua cultura na tuga.

Aqui vai os avôs a ensinar os pais a nadar. Disfrutem filhotes:

Depois da introdução feita pelos Black Company aqui vai outro grupo de hih hop, a doninha bem fedorenta para atormentar as mentes da tuga. Uma sonoridade muito influenciada pelo hardcore, por do Pacman, com o virgul a dar uma veia mais dançante e de love ao grupo e claro com o DJ glue também uma grande referência do hip hop tuga.

Esta música crítica a "comercialidade" que invade e influência a tuga. "A revolução não vai passar na televisão (...) É na nossa casa que começa a guerra." Forte directo e sem metáforas vamos a eles a esses gajos "que estão a mais"!

Depois deste cafezinho com os Da Weasel nada melhor que uma bela reflexão com o nosso puto Sam. Nesta música Sam The Kid faz a sua retrospectiva e quem não o conhece, aqui fica a conhecer. O Sam the Kid é responsável pela massificação do Hip Hop em Portugal, entrando pelas escolas secundárias adentro, foi e é inspiração de diferentes gerações. 

Destaca-se a maturidade nas letras e a consciência da sua importância para a juventude que o ouve. Continua Sam The Kid que continuaremos a acompanhar e a apoiar. Humilde, perspicaz e eficaz é ele o nosso puto!

Obrigado Sam! obrigado Antena 3!

Depois de alguns scratchs e dicas aqui vem o senhor que em tempos já foi da nova escola e agora é lendário. Súbtil na mensagem surge no apogeu do hip hop tuga e ele de forma humilde conquistou também os nossos corações.

Lírica inagualável e aventureira é ele o Sir Scratch. Palavras para quê? Ninguém melhor que ele para lhes dar uso. 

Aviso já que isto não está por ordem de importância, pois para mim são todos importantes e têm papeis diferentes no movimento e na cultura, pois estes senhores poderiam vir também mais a cima da lista caso fosse por ordem de importância. Senhores estes que dispensam de apresentação se precisas de apresentação? Não "tu precisas de uma sebenta"!

Valete "aquele homem que eles amam/odiar". Tanta brutalidade na palavra que não há palavra que o descreva. 

Nesta música valete cospe uma homenagem e traça o corredor da fama da tuga metendo os que têm a mania que são alguém. "Corre por amor ao hip hop"!! "Sê humilde bro"!!

O nosso barbeiro de estimação sempre bem educado e um flow tranquilo para compensar a sua agressividade. O hiphop de gula é a inspiração para muitos da nova escola, pena é que poucos interpretam a mensagem como deve ser porque não aprenderam bem a lição. 

Agora vem aí a nova escola, com os que considero serem os mais reais (daqueles que conheço claro). Comecemos por quem continua a rebentar de forma igualmente humilde em relação aos anteriores, nada mais, nada menos do que o Dillaz com o seu flow hipnotizante, letras arriscadas e uma certa superioridade moral em relação aos outros que só falam em cus e mamas.

"Tens a cara de um caralho! Devias de ter uma braguilha na cara!"

Aqui vai o pai do Trap na tuga, aprendiz do avô Sam, mas que não se limitou a fazer o mesmo que o seu mestre, mas sim a inventar e reinventar. Sonoridade única, agressividade própria e velocidade alucinante, é ele a estrela da nossa tuga trap: 

"O tempo passa não vou pensar, vou fazer!" Aqui está ele o Vado a massificar o hip hop crioulo na tuga, sendo dos poucos ou único, que junta a letra em crioulo com o português para espalhar a mensagem. A realidade pura e dura e sem fantasias ou falsidade como alguns pseudos gostam de usar.

Bem o post já vai longo e ainda faltam aqui referências, mas já sabem como eu sou, se me apetecer faço uma parte II. 

Apreciem divulguem e não oiçam qualquer merda!

 

 

19
Mai20

“The Last Dance” – O melhor desportista da melhor equipa de sempre

Escrevo, logo existo

A série documental, da Netflix, “The Last Dance” é uma série que mais do que ser sobre o “Air Jordan” é uma série sobre a beleza do desporto e do trabalho em equipa, em que as pessoas são superiores às marcas e aos lucros, as pessoas e as suas obras são ícones são intemporais. A série deixa a sensação de que o Jordan e os seus companheiros de equipa podem voltar a qualquer momento.

A ideia de que estes rapazes, que esta equipa não são seres humanos, são superiores a isso com a sua forma de humildade própria de quem é de facto o melhor do mundo. Eles sempre lá estiveram para o público, apesar do público por vezes ser cruel, eles foram e serão sempre a melhor equipa, o melhor conjunto do mundo.

É assim “The Last Dance" que não romantiza e que mostra uma visão crítica sobre a melhor equipa de sempre, que teve uma importância determinante e central na massificação a nível mundial da NBA. Vê, disfruta e contempla uma espetacular série documental que faz justiça ao espetáculo que foram aqueles miúdos.

 

03
Mai20

A mãe

Escrevo, logo existo

Neste dia da mãe venho deixar-vos um dos livros da minha vida, “A mãe” de Maximo Gorki, o escritor que não ganhou um nobel por ser comunista. Uma forma de escrita ímpar que demonstra a capacidade de resistência de um povo e a importância das mães na vida de cada jovem e no desenvolvimento e progresso da sociedade.

Destaco um episódio no livro, em que uma personagem não acreditava que era possível a revolução, note-se que passados uns anos aí estava a revolução mais avançada do mundo, a revolução dos sovietes com o contributo determinante de Lenine, que se comemora este ano o seu 150º aniversário.

Boas leituras e reflexões.

350x.jpg

Comprem através deste link para ajudar o blog:

https://www.wook.pt?a_aid=5e5ebe1da44e4

02
Mai20

Quarentena e o papa séries

Escrevo, logo existo

Nesta quarentena já papei tanta coisa em termos de séries. Acabei a série do Michael Jordan que retrata o seu percurso e a ascensão, desaires e declínio dos Chicago Bulls. Mais do que uma biografia do “Air” Jordan é a biografia da orquestra que foi esta dream team.

Série bem concebida, com imagens exclusivas, perfeita para quem gosta de basket, mas também para quem gosta de desporto. Sendo esta a dream team que contou com os melhores jogadores de todo o tempo. Podemos arriscar a dizer que o Jordan é o desportista mais trabalhador de sempre e quem sabe o mais talentoso. Vejam e tirem as vossas ilações

Outra série que comecei a ver foi o 1986, uma agradável experiência de viagem no tempo, uma série para todas as idades. A banda sonora é apaixonante, tornando Nuno Markl como responsável por trazer de novo aos palcos a Lena D´Água que andava desaparecida há muito tempo. A mistura do tempo com a juventude e os acontecimentos de é alucinante!

A “espia” também uma série portuguesa sobre os espiões ingleses presentes em Portugal durante a segunda guerra mundial, apesar de ser ficcionada a série demonstra a realidade do país vivida na altura, o medo e o receio de Portugal entrar para a guerra, mais a pseudo “neutralidade colaborativa” de Portugal fascista com a Alemanha nazi.

Abraço e entretenham-se, as duas últimas estão disponíveis na RTP Play à borla e a primeira na Netflix.

23
Abr20

Playlist - Essencial 25 de abril ontem, hoje e sempre!

Escrevo, logo existo

O melhor guitarrista do mundo, guitarrista que nasce da luta, do sofrimento e da capacidade de resistência do seu povo. Se existe alma portuguesa, Carlos Paredes é o seu sinónimo.

A Tourada - Música escrita pelo grande Ary dos Santos, interpretada pelos igualmente grandes Naifa. Cantem sonhem, organizem-se e construam um mundo onde nunca mais seja possível acabar as canções.

"Esta música, cuja letra e música é da autoria colectiva dos presos políticos em Caxias é um dos hinos da Resistência ao fascismo, aqui cantada numa Festa Comício do PCP em 1977."

Ary dos Santos - Muitos Homens na Prisão 

Concerto complecto do incontornável Zeca!

O monstro intelectual José Barata Moura que é a prova viva de que as palavras têm muita força, se a luta acompanhar. Em relação à letra quem quiser que vista a casaca.

Os três cantos, Sérgio Godinho, José Mário Branco e Fausto. Concerto complecto! Aqui podemos recordar o nosso querido, complexo  e chatiado amigo José Mário Branco.

Bem está é muito especial, esta fala de uma terra que apesar de ser de sonho, ela já existe e chama-se Festa do Avante! Música dedicada por parte do Jorge Palma à grandiosa Festa do Avante, onde é convidado muitas vezes para ir cantar! É um dos hinos da Festa do Avante, a festa que é um exemplo bem vivo do que são os valores de abril em vida e que deviam de ser transportados para a realidade do país!

Aqui os cubanos Carlos Puebla com a sua maior humildade, que caracteriza aquele povo a agradecer os cravos vermelhos da liberdade, música que demonstra o  internacionalismo da nossa revolução.  

 

Por último acabo com uma música dedicada à nossa revolução por parte do nosso irmão Chico Buarque. Representando a importância que a nossa revolução teve a nível internacional e como influênciou e ajudou outros processos.

Um bom 25 de abril e não se esqueçam:

WhatsApp Image 2020-04-16 at 8.40.26 PM.jpeg

 

17
Abr20

Obrigado Cinemateca: "Lisboa, Crónica anedótica" de Leitão de Barros

Escrevo, logo existo

A Cinemateca está a realizar um ciclo de cinema online, referente às comemorações do 25 de abril, o primeiro filme que eu vi e que aparece em primeiro na lista é "Lisboa, Crónica anedótica" de Leitão de Barros. 

Um filme grande e um grande filme. Uma caricatura do que era Lisboa no passado (1930), de como a riqueza convivia com a miséria de modo indiferente. Um país, uma cidade de meninos descalços que nunca tiveram tempo, nem a oportunidade, de ser meninos. 

Uma obra que mais do que uma obra cinematográfica é também uma obra sociológica e antropológica, uma verdadeira viagem no tempo. 

Viaja também : http://www.cinemateca.pt/Cinemateca/Destaques/Filmes-para-ver-esta-semana-(1).aspx

25 de abril sempre! Fascismo nunca mais!

19
Mar20

Jazzada

Escrevo, logo existo

Sempre gostei de jazz devido à tranquilidade misturada com a rebeldia que o caracteriza. A música que trago, chama-se "take five" é a primeira música de jazz a ser tocada a 5 tempos. 

Hoje fico por aqui por não ter conseguido aprimorar melhor a publicação, ainda assim mergulhem a partir daqui.

17
Mar20

Música Cubana - hinos da alegria de um povo

Escrevo, logo existo

Começo por mostrar no primeiro video para mim aquele que é o grande cantor da revolução cubana Carlos Puebla, numa música que se refere ao sentimento libertador da revolução cubana e aquilo que ela representou: 

*Uma curiosidade esta música é cantada na famosa tasca cubana em Havana Velha a "La Bodeguita".

* Carlos Puebla o mesmo compositor de Hasta Siempre https://www.youtube.com/watch?v=0k8xMiZp588

Em segundo traga-vos uma música de um grupo que mostrou a música popular cubana ao mundo que a elevou aos maiores palcos do mundo, nada mais nada menos do que os famosos Buenna Vista Social Club. 

*ver o filme sobre os Buenna VIsta Social Club disponível na netflix para conhecer melhor a sua história https://www.youtube.com/watch?v=mwyGPg8cYvY .

Assim concluo com um desafio, mergulhem e conheçam quer a história e reportório destes ou de outros artistas e deliciem-se por um povo que resiste e luta contra o mais violento e duradouro bloqueio de sempre por parte dos EUA e no final irão questionar-se de onde vem tanta felicidade e alegria. A alegria e felicidade do povo cubano vem do facto de serem livres, com dificuldades externas impostas, mas livres porque são eles que decidem o seu futuro!

 

25
Fev20

A música que vos deixo para o momento em que estamos: Racismo é Burrisce!

Escrevo, logo existo

A tranquilidade desta música remete-nos para necessidade de auto reflexão.

Apesar desta falar sobre a realidade brasileira, é universal e encaixa-se muito bem na nossa realidade. Crítica o negacionismo do racismo, diga-se de passagem que vive de braços dados com outro tipo de negacionismos e branqueamentos. 

Faça a sua lavagem cerebral e diga não ao racismo, com mais ou menos floreados!

#racismoéburrice #diznãoaoracismo

Plano Nacional Leitura-mrec

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D