Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrevo, logo existo

Escrevo, logo existo

08
Dez19

Bugigangas Natalícias - Horrível o Natal

Escrevo, logo existo

Ai o natal tão . . . Horrível!! É altura do ano em que as pessoas em romaria invadem as ruas para comprar bugigangas de plástico para oferecer umas às outras. Quase que me atrevo a dizer que 90% do que é oferecido, não tem utilidade nenhuma. 

 

Hoje as lojas de chineses já não existem ao mesmo nível do que há uns anos, até porque as grandes superfícies também já vendem produtos muito maus e de fraca qualidade. As pessoas mesmo não sabendo o que devem oferecer insistem em oferecer, por favor parem com isso, olha façam um desenho ou escrevam um texto, sei lá, mas não me ofereçam coisas por oferecer.

 

Vocês perguntam: Mas o natal não é mais que isso? As pessoas gostam do natal de uma forma que os devia de envergonhar, passo ao exemplo, as pessoas gostam do natal por ser o momento em que estão com a família. . . Preciso de explicar? as pessoas gostam do natal porque parece que mete uma borracha no facto de nos estarmos a borrifar para a família durante o ano inteiro. 

 

Dirão vocês: Tu falas assim porque és ateu? Assumo que esse argumento possa fazer sentido, o que acho que não faz sentido é ser-se católico e gostar-se do natal, tendo em conta que estamos a festejar uma coisa que foi criada artificialmente através de um concilio pois jesus não nasceu naquela data, sendo apenas uma data pagã. O consumismo, a gula e o desperdício é uma coisa muito pouco católica e muito natalícia, o poço de todas as contradições.

 

Bem até já e tentem não morrer de diabetes e atolados em bugigangas.

30
Nov19

Bank Friday Bancária (para os Banqueiros)

Escrevo, logo existo

Era bom que a Black Friday fosse no Novo Banco e não para o Novo Banco, pois parece que o Novo Banco apesar de não adquirir produtos, enche o cofre sucessivamente em grandes doses de dinheiro (de outros). 

 Black Friday no Novo Banco era meter quem tem de pagar o buraco a fazer uma coisa espetacular que é pagar os seus próprios prejuízos do banco, daí a noção de capital de risco, para os mais distraídos, quer dizer que tem risco e que pode ter como consequência não só perder o valor investido, como pode ser necessário meter mais dinheiro, pois não dá para ser "liberal" para ter lucro e usar o estado para o prejuízo. 

Resumindo "liberal" é a o cúmulo da chique espertice política e a Black Friday para o Novo Banco é para os donos disto tudo que são, ao mesmo tempo, os que apregoam o "liberalismo" pensando e agindo segundo o seguinte princípio basilar: Liberdade para explorar sem ninguém os incomodar. 

 

20
Nov19

Evento Antiwebsummit

Escrevo, logo existo

Tive uma ideia empreendedora que é de criar uma antiwebsummit, onde as pessoas que já tenham dado uso à sua genitália possam participar e que fosse impossibilitada a entrada indivíduos que têm medo de vá . . . de ter relações com algum contacto físico com outras pessoas (animais e a própria mão não conta).
Neste evento estaria proibida a entrada de "gadgets", de portáteis e telemóveis e a única bebida não alcoólica que entrava era água. Não seria permitida a entrada de empresas para vender coisas e fazer dinheiro com o dinheiro dos outros e as empresas que entrassem só podiam oferecer coisas.
Como é óbvio não existia internet e os eventos era só festa, borga e saídas à noite que fossem para além da 00h em que haveria mais do que sumo de laranja e se houvesse sumo de laranja tinha de ser traçada com vodka.
Existiria um espaço antinetworking em que seria um espaço onde as pessoas se insultavam mutuamente, com prémios para o pior insulto e claro um campeonato de chapadas.
O antiteambuilding seria uma sauna gigante onde as pessoas praticavam atividades sexuais em público uns com os outros (uma forma empreendedora de organizar uma órgia).
Assim deixo a minha ideia antiempreendedora. e fico à espera não só de antioutputs como de antinvestimentos.

16
Nov19

Dinheiro -> Multibanco | Votos -> Urna

Escrevo, logo existo

O deputado do partido socialista Ascenso Simões veio defender, como medida de combate à abstenção, o voto eletrónico no multibanco, acontece que votar não é a mesma coisa que ver o saldo ou pagar a conta da luz e da água. É mais importante do que isso e se as pessoas não votam não é por terem preguiça de ir à assembleia eleitoral, é de facto por não quererem votar por questões políticas, ou seja, porque não acreditam, não creem na nossa democracia.

O erro crasso é o facto de não existir interesse por parte dos partidos do arco do poder (PS/PSD/CDS) de discutirem na origem do problema e isso acontece no caso de Ascenso Simões “esquece-se” que faz parte de um partido que tem grandes responsabilidades no desacreditar dos portugueses no nosso sistema político, durante as últimas 4 décadas, é na alteração dessas políticas que o Sr. Ascenso Simões não quer colocar a discussão.

O que muitos dos portugueses vêm é que faz com que não votem, é o banqueiro que afundou o banco e o governo que injeta dinheiro que é dos contribuintes, nesse mesmo banco, quando a responsabilidade não foi dos contribuintes, mas sim de Ban . . . Ladrão. Enquanto os salários continuam baixos, enquanto as pessoas continuam a não ter dinheiro para meter os filhos a estudar na faculdade etc . . .

Para resolver o problema da abstenção é necessário mudar o rumo das políticas, é necessária uma política que valorize as pessoas e não os mercados e a especulação.

p.s. Ascenso Simões deixe-se de conversas e de falinhas mansas e só espero que ninguém vá nessa conversa.

02
Nov19

Passerelle na Assembleia da República

Escrevo, logo existo

Um que precisa de uma porta, façam-lhe a vontade e se possível dêem-lhe com a porta na cabeça. A outra que é acompanhada de um homem de batina.

O que tem em comum? Querem chamar a atenção através do choque, alimentam-se um do outro. Quando um ataca o outro, ambos ganham destaque na Comunicação Social.

P.S. Não alimentem os populismos, eles alimentam-se da tua atenção, eles alimentam-se de ti.

 

31
Out19

Apenas chuva

Escrevo, logo existo

Parece que quando chove as pessoas decidem todas comprar um carro ou alugar para encher as ruas de Lisboa. Porquê tal fenómeno? Medo de se molharem? A meu ver estamos perante ridículo, existe uma tecnologia inventada à pouco tempo chamada de chapéus de chuva, coisa de à pouco tempo, percebo.


Para além do mais estas pessoas não é a primeira vez que saem de casa quando chove, a não ser que só saiam de casa quando chove e de carro, o que mais uma vez não faz sentido. Outra hipótese é cada vez que saem de casa irem de transportes públicos. Neste momento dêmos as mãos uns aos outros em círculo, fazendo uma grande reflexão coletiva: Também não chove nos transportes, pois não? No caminho para o trabalho quando saem dos transportes e vice-versa podem usar um chapéu não podem? Então meus caros nesse caso deixem o carro na garagem, aproveitem o passe e usem os chapéus.

27
Out19

Para a padeira nem vento nem casamento de onde? De espanha meu caro.

Escrevo, logo existo

Padeira é das profissões mais nobres, um padeiro não é a mesma coisa que um pedreiro. Um faz pão e o outro faz? Burros! Trabalha a pedra e não! não faz pedras! 

Mais impressionante é a outra que trata dos outros à mocada, quando com pedras resultaria melhor com certeza. Comer pedras faz partir os dentes, não convém trocar-lhe os papéis. A padeira de Aljubarrota é o nosso Jesus Cristo, primeiro porque nos libertou, segundo porque tem a capacidade de multiplicar pães, nomeadamente contra espanhóis. Ainda é mais que cristo, pois ela ao mesmo tempo que trata da arte da criação de pães (e não pãos como alguens dizam), liberta-nos dos espanhóis.

Outra pergunta que me sobressalta é: Como é que aquela senhora apareceu em Aljubarrota? Sim porque de lá não era de certeza, pois aquilo é um bocado como a margem sul . . . "um deserto" (já agora ainda é lá que vão fazer o aeroporto?).

Padeiro hoje é uma profissão em ascensão, hoje há muitos jovens que enveredaram por esta profissão histórica, e trabalham de noite e pela madrugada adentro, chegando mesmo a trabalhar o dia inteiro e em qualquer lado, nomeadamente em casas de banho, discotecas e etc. Parece que hoje em dia é possível fazer um pão em qualquer sítio.

Às vezes pergunto-me: Será que se nós nos voltarmos a zangar com os espanhóis eles voltam a unir-se? FSSS estava a tentar não falar sobre espanhóis, mas eles não se entendem entre eles, quanto mais com os outros.

Obrigado padeira que aqui no condado portucalense as coisas continuam (devagarinho mas continuam) e já agora espanhóis obrigado pelos 100 montaditos e quando poderem mandem aquelas cadeias de restaurantes de presunto que têm espalhados por Espanha.

 

 

 

24
Out19

Afinal é possível sair

Escrevo, logo existo

Muitos comentadores encartados têm a mania de comparar o "cu com as calsas", muita coisa já foi dita entre a Catalunha e o Brexit, a questão é que são processos muito diferentes. A única coisa que poderá ser comum, entre um processo e outro, é a seguinte questão: quem é a única entidade soberana no que toca à tomada de decisão política?

A resposta é simples, essa entidade chama-se Povo, é ao povo que cabe decidir o seu próprio futuro, isto num primeiro plano. Num segundo plano podemos discutir se os processos de tomada de decisão foram ou não bem conduzidos e num último plano se são legítimos, entre muitas outras discussões de todo o tipo que muitos pseudo intelectuais gostam de ter . . .

Agora o que muitos (pseudo) democratas e comentadores (zecos) fazem, é meter a questão do centro de decisão, tanto da Catalunha como do Brexit, fora do quadro de decisão democrática (poder/povo), para cobardemente colocar a discussão no quadro legalista (legal/judicial) no caso da Catalunha e no caso do Brexit no quadro economicista (negocial/negociante). 

Para esses "comentadores" e "democratas" que têm medo da democracia, o povo não tem! Deixem o povo da Catalunha decidir sobre o seu futuro e no caso do povo Inglês, respeitem a sua decisão!

O interesse do povo tem de estar no centro da ação, os outros interesses são estranhos ao seu interesse e esses devem estar fora tanto num processo como no outro.

20
Out19

Adolf(o) calma que o povo desconfia

Escrevo, logo existo

O Adolf(o) Mesquita Nunes foi convidado da circulatura do quadrado, não querendo debater à exaustão a sua participação, gostaria de focar-me no seu posicionamento em relação às ideologias: Adolf(o) entende que o CDS-PP não se rege por ideologias e que não regras rígidas do ponto de vista ideológico, quer em termos de posicionamento, quer em termos de funcionamento. Afirmando que no CDS-PP cabem diferentes tipos de posicionamento, diferentes ideologias, diferentes sensibilidades, dizendo que hoje as ideologias não têm nem devem ter centralidade.

Concentremo-nos nesta matéria, as ideologias têm hoje toda a importância e quando alguém te disser que as ideologias não interessam, ou não são o que mais importa, desconfia! Esse é o mesmo tipo de pessoa que te vai dizer que estamos todos para o mesmo, que hoje numa empresa não há trabalhadores, mas sim colaboradores e que hoje não há patrões, mas sim empregadores e que lhes devemos agradecer por nos explorarem todos os dias. Ah! Desculpem-me, recapitulando . . . a pagarem-nos o salário que não equivale ao que produzimos e que é muito bom e que só temos é que agradecer.

Meus caros quem diz que não existem ideologias, ou que elas hoje não têm importância, na generalidade dos casos (para não dizer todos) afirmam isso porque têm a intensão de fazer com que vocês pensem que não há ideologias, que não há cá lados, que não há cá adversários e inimigos e por último de que não há luta de classes.

A extrema direita escala nesta ideia central da morte das ideologias, dando um ar de antissistema (sendo eles a vanguarda do próprio sistema) como forma de atrair as camadas mais descontentes da população.

O que vale Adolf(o) é que o povo continua a desconfiar e a direita levou a tareia que levou porque o povo desconfia e bem e não perdoa (e bem) o que o vosso governo fez.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D